sexta-feira, 13 de junho de 2014

1 resenha da fraldas capricho

                                                     Olá Mamães! 

Hoje vou contar um pouquinho da minha experiência com as fraldas da capricho,
Me enviaram 3 unidades da fralda capricho Pica Pau Baby e um pacote de toalhinhas umedecidas.



Fraldas:

Começando pela a embalagem é linda, o Nicolas adorou pois ele ama o Pica Pau, como ele só usa fralda para dormir,pois quando chega a noite ele sai correndo para não por a fralda,mas quando falei que era do Pica Pau ai ele deixou colocar!!!


A fralda Pica Pau Baby chegou para agradar todas as mamães! Com absorção eficiente, barreiras impermeáveis e o formato anatômico ''inteirinho''esta fralda tem tudo para deixar seu filho lindo e confortável.
As mamães não vão resistir as fraldas  e sua turma divertida.





Todas as mamães buscam em uma fralda conforto e qualidade e isso pude perceber que isso as fraldas Pica Pau Baby tem de sobra. Pois é um produto muito bom e de ótima qualidade.


Adorei as barreiras impermeáveis, por
terem elásticos firmes e delicado evitando o vazamentos. Durante todos os dias que usei, não houve vazamento, nem durante o dia e muito menos a noite que temos a maior preocupação, suportou muito bem o xixi da madrugada. Melhor que muitas fraldas famosas por aí.


Vejam aqui nessa foto, a  fita elastica (em azul) ajuda e muito a medida que o bebê se movimenta, o ajuste se torna muito mais fácil e  que gruda e desgruda quantas vezes quiser, o que facilita demais  esse é um ponto mais que positivo desta fralda!

 Eu super indico e recomento a todas as mamães que buscam fraldas de qualidade,  e com um ótimo preço. Não precisando pagar caro em uma fralda de qualidade. Se nunca experimentou as fraldas Pica Pau Baby! Experimente! E garanto você também irá se supreender e nunca mais vai largar essa fralda.

Toalhinhas:



 Essas toalhinhas são grossinhas e super resistentes, o cheiro é muito gostoso e o que mais me agradou foi o fato de não serem muito molhadas, tem umidade suficiente para limpar em deixar a pele encharcada.
   São minhas preferidas,eu adorei.



      Para saber mais sobre os produtos da Capricho acessem o site Fraldas Capricho 
      E para saber de todas as novidades que estão rolando Curta a Fan Page Fraldas Capricho           
Espero que tenham gostado do post!
Bom é isso... beijos  fiquem com Deus! 



segunda-feira, 9 de junho de 2014

Crianças com colesterol alto


              Alimentos que podem e não podem entrar na dieta


Crianças que têm muita resistência na hora de comer frutas e verduras, mas que adoram alimentos industrializados. Será que aí na sua casa você também enfrenta esse problema? Cuidado, o seu filho (magrinho ou gordinho) pode estar com colesterol alto! “Criança magra não é sinônimo de criança saudável, pois neste caso ela pode comer pouco, mas alimentos pobres em nutrientes e ricos em gorduras”, explica a nutricionista Luciane Gonçalves de Lima, conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas 8ª Região (CRN-8)
A situação é mais comum do que a gente imagina. E uma das explicações é o modo de vida da sociedade atual e a alimentação adotada por grande parte dos brasileiros. Para Luciane, que também é professora do Curso de Nutrição da Faculdade Evangélica do Paraná e autora do livro Alimentação infantil: receitas nutritivas e equilibradas (Ed. Juruá), o consumo exagerado de produtos industrializados é o principal responsável pelos casos de obesidade, diabetes, hipertensão e colesterol alto entre crianças e adolescentes. “Além da quantidade elevada de conservantes, aromatizantes e outros químicos, responsáveis por alergias e problemas gastrointestinais, a falta de fibras dos alimentos industrializados pode causar constipação. Muitos produtos também contêm altas taxas de sódio, caso dos refrigerantes e do macarrão instantâneo, que causam retenção de líquidos e pressão alta”, alerta.
Veja a lista de produtos de uso restrito e a relação dos alimentos permitidos, além de muitas outras dicas na entrevista a seguir com a nutricionista Luciane.
Alimentos de uso restrito:-
 - Leite integral
- Queijos amarelos
- Queijos cremosos
- Leite condensado
- Creme de leite
- Manteiga
- Chantily
- Peixes gordos e enlatados
- Vísceras (coração, fígado, rim, etc.)
- Carne de porco, bacon
- Embutidos (salame, presunto, salsicha, etc.)
- Camarão, caranguejo, marisco, caviar
- Maionese
- Gema de ovo
- Chocolates
- Bolachas recheadas
- Margarinas e cremes vegetais comuns
- Azeite de dendê, gordura de coco
Alimentos permitidos:
- Leite desnatado
- Queijo branco
- Ricota
- Iogurte desnatado ou light
- Carnes magras
- Aves sem pele
- Peixes não gordurosos, não fritos
- Clara de ovo
- Macarrão integral
- Feijão (soja, ervilha, lentilha, etc.)
- Vegetais folhosos
- Legumes
- Frutas
- Cereais integrais (arroz, aveia, trigo, milho, etc.)
- Margarinas especiais com fitosterois
- Óleos (canola, milho, girassol, oliva)
- Mel
- Geleias
- Biscoitos simples sem recheio, preferencialmente caseiros
- Pão branco e integral
1. O que deve ser alterado no cardápio de crianças (a partir de 3 anos) com colesterol alto?
Primeiramente, devemos orientar os pais ou cuidadores a servir uma alimentação saudável e balanceada à criança. Acrescentar fibras na alimentação diária, oriunda das frutas, legumes, verduras, cereais integrais e leguminosas, pois as fibras funcionam como carregadores das gorduras, ajudando a eliminá-las sem serem absorvidas pelo organismo.
Os alimentos que devem ser evitados no caso da criança apresentar colesterol elevado são os de origem animal e as gorduras saturadas, aquelas que são sólidas na temperatura ambiente, como, por exemplo, a margarina.
Quanto ao leite, eu avalio caso a caso: se houver excesso de peso associado à dislipidemia ou não, se a taxa estiver muito elevada. Nos casos de menor gravidade, oriento o uso de leite semidesnatado e os [casos] mais críticos o uso de leite desnatado.
2. É possível fazer algumas substituições saudáveis mas também atraentes ao paladar das crianças ? É interessante substituir o sorvete de massa (com leite) pelo sorvete de palito (de frutas)?
Substituições como a citada na pergunta devem sim ser utilizadas. No caso dos picolés de frutas, eles são bem menos calóricos por quase não conterem gorduras em sua composição, alguns são totalmente isentos [de gorduras]. Os pais também podem substituir carnes gordas por carnes magras e queijos amarelos por queijos brancos.
3. Como deve ser o lanche da tarde dessas crianças com colesterol alto?
Além de evitar industrializados de uma maneira geral, os pais precisam observar a lista de alimentos de uso restrito.
O que dar no lanche:
- Frutas inteiras ou picadas.
- Sucos ou vitaminas de frutas, bebidas à base de leite semidesnatado ou desnatado, leite vegetal (extrato de soja, de amêndoas), iogurtes semidesnatados ou desnatados, leites fermentados.
- Sanduíches à base de pão integral, de centeio, de fibras e de grãos, com queijo branco, peito de peru, tomate, alface e cenoura ralada.
- Biscoitos integrais e biscoito tipo Maria.
- Bolos simples com alguma fonte de fibra, como bolo de cenoura com aveia e bolo de casca de banana.
4. A senhora gostaria de citar mais alguma dica aos pais?
A principal dica é para associarem alimentação saudável a um estilo de vida saudável! Portanto, evitar o sedentarismo (muitas horas no computador, em frente à TV e jogando vídeos games) e praticar atividade física rotineiramente, após liberação do médico da criança e sempre acompanhada por um educador físico.
Outras dicas:
- A apresentação do prato é fundamental para a boa aceitação. Alimentos coloridos despertam a atenção das crianças.
- Conforme a idade das crianças, elas podem ajudar durante as preparações, pois elas aceitam muito bem os alimentos quando são incluídas no processo.
- É preciso estabelecer um ritual durante as refeições, como comer sentado na mesa, na frente do prato e nas horas certas.
- As crianças, assim como os adultos, devem fazer pequenos lanches entre as principais refeições.


Frio aumenta alergias respiratórias nas crianças



O fato é que com a chegada dos meses mais frios as crianças ficam mais suscetíveis a doenças respiratórias. Entre tantas informações bacanas apresentadas pela médica, o que mais me chamou a atenção foi que 20% das crianças podem ter rinite alérgica, o tipo de alergia respiratória mais comum tanto nos adultos quanto nos pequenos.

Bom, aqui em casa tenho vivido isso na pele. O Serginho está com 10 meses e há um mês continua com o narizinho escorrendo, uma coriza que não pára, além de tosse. A suspeita é que seja uma alergia respiratória, principalmente por causa do clima que está mais frio e seco aonde moramos. :(
Segundo dados da ASBAI, as alergias mais comuns são a rinite alérgica e a asma que têm como agentes alérgicos ácaros, fungos, animais domésticos, pólens e restos de insetos como, por exemplo, a barata (afeeeee rs rs). No Brasil, cerca de 30% da população sofre de rinite e entre 10% a 15% têm asma.
Os principais sintomas da rinite alérgica são crises de espirro, prurido e secreção nasal. Se não tratada, pode levar à crises de asma e sinusite. Já a asma tem como característica tosse, cansaço, falta de ar e chiado no peito, sendo que a principal complicação é a pneumonia e o agravamento da falta de ar.
Por quê ficamos mais doentes no frio
Nos meses de outono e inverno as pessoas alérgicas costumam sofrer bastante. Isso porque as mudanças climáticas podem desencadear crises respiratórias. O clima mais frio e úmido favorece o crescimento de ácaros e se o tempo está seco as vias áreas ficam mais sensíveis. Além disso, essa é uma época em que ocorre grande circulação de vírus e as infecções virais também podem levar a crises alérgicas.
Outros fatores são a diminuição da qualidade do ar, quando há mais poluição, e o maior contato com os ácaros, pois no frio tiramos do armário mantas, cobertores e malhas geralmente guardadas há bastante tempo e que podem acumular poeira. “A pessoa alérgica é alérgica o ano interno, mas nessa época do inverno as crises se exacerbam muito mais.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Panquecas (receita da vovó)



INGREDIENTES

  • 1 copo de leite
  • 1 ovo
  • 1 copo de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de óleo
  • 1 pitada de sal

MODO DE PREPARO

  1. Bata os ingredientes no liquidificador
  2. Pré aqueça uma frigideira de teflon com uma colherinha de óleo
  3. Coloque a massa na frigideira com o auxílio de uma concha
  4. Deixe assar até que a borda obtenha uma cor dourada
  5. Vire a panqueca e recheie ao seu gosto (carne, queijo e presunto, frango etc) deixando dourar o outro lado
  6. Enrole e reserve-as em um pirex
  7. Cubra com molho de tomate polvilhado com queijo ralado e leve ao forno pouco antes de servir só para aquecer
  8. Sempre que quiser pode aumentar a quantidade, é só dobrar a receita
  9. tirando o sal da receita você pode rechear a panqueca com doce de leite, brigadeiro, nutela, banana, geléia

Cuidados com o bebê no inverno

Especialistas ensinam como proteger seu filho do frio em diferentes situações: no banho, na escolha das roupas, na hora de dormir e no 
cuidado com a pele 















Durante a estação mais fria do ano surgem muitas dúvidas sobre como manter o bebê quentinho e longe de problemas de saúde. Mas, como saber se ele está com frio ou calor? Quais as precauções necessárias na hora de dar banho? Como aquecer o pequeno para dormir? Respondemos estas e outras dúvidas:


                                                           
                                                             
HORA DO BANHO


Os pais ou o cuidador precisam estar atentos ao ambiente no qual ocorrerá o banho. Opte por um local sem correntes de ar e procure realizar esta higienização na hora mais quente do dia, que normalmente é no final da manhã ou início da tarde. “O ideal é que a temperatura do lugar esteja por volta dos 24 ou 25 graus. Se necessário, utilize um aquecedor. Caso o use, deixe também uma toalha ou esponja molhadas no espaço do banho para manter a umidade do ar. Tome cuidado ao escolher onde o aparelho ficará para evitar acidentes”, orienta o pediatra Victor Nudelman, diretor clínico do Hospital Albert Einstein.
Antes de colocar a criança na banheira, separe tudo o que você irá utilizar, como o sabonete, a toalha e as roupas. Isto também deve ser feito no calor. Apesar do frio, a temperatura da água não pode ficar muito elevada. “Recomendamos um morno para quente e ao verificar se está agradável coloque o dorso de sua mão na banheira”, diz a enfermeira Patrícia Freitas, do Departamento Materno Infantil e Psiquiátrico da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.
O cuidado com a temperatura do ambiente e da água é necessário para evitar um choque térmico, ou seja, a transição rápida de um local quente para outro frio. “Quando ocorre esta mudança brusca o sistema cardiovascular realiza todo um processo de adaptação, assim a criança começa a tremer e fica pálida”, explica o pediatra Tadeu Fernando Fernandes, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria. 
O banho deve ter um ritmo semelhante aos banhos em outras estações. “Apenas nos casos de bebês prematuros, que possuem reserva de gordura menor quando comparado a outros recém-nascidos, recomendamos uma higienização mais rápida”, afirma Freitas. Lembrando que a limpeza dos pequenos é feita com água e sabonete infantil. “Quanto menos produtos entrarem em contato com a pele do bebê melhor, pois evita alergias”, conta a dermatologista Selma Maria Helene, coordenadora do Departamento de Dermatologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Dermatologia.
Assim que terminar de lavar seu pequeno não o leve peladinho para outro local mais frio. Enrole-o com uma toalha e seque bem, inclusive as dobrinhas. “Feito isso, coloque uma camisetinha ou outra peça de roupa da parte de cima, de modo que o peito do pequeno fique protegido. Depois, você pode colocar a fralda”, orienta Freitas.  A roupa básica deve ser vestida enquanto o pequeno ainda está no local quente em que o banho foi feito. “Deixe para o ambiente mais frio apenas as roupas de cima”, afirma Fernandes. O banho pode ser feito uma vez ao dia. Faça outras vezes caso o bebê se suje muito.


     ESCOLHA DAS ROUPAS


 Ao decidir o que seu filho irá vestir em um local frio leve em consideração o que você está usando. “Tomamos por parâmetro que a mãe coloque uma roupa a mais do que ela está vestindo. Além da mantinha do pequeno”, orienta Nudelman. Opte por roupas de algodão, especialmente aquelas que estarão em contato direto com a pele do bebê, assim você evita alergias. “Caso o bebê esteja com mãos e pés gelados coloque luvas e meias”, afirma Fernandes.
Além disso, cuidado para não expor o pequeno a um frio excessivo. “Evite sair com o bebê no comecinho da manhã ou durante a noite, momentos gelados do dia”, diz o pediatra Eduardo Brandina .

                                                              
 HORA DE DORMIR 





Na hora de dormir os pais precisam ficar atentos para a escolha das vestimentas e cobertas do pequeno. “Quando o bebê dorme, ele se mexe. Cobertores ou roupas pesadas limitam os movimentos, podendo até suprimir a respiração dele e causar a morte súbita”, alerta Fernandes. Por isso, os pediatras recomendam o uso de cobertas e roupas leves. Atualmente, no mercado, há diversas opções de tecidos quentes e que não são pesados, tanto para as roupas quanto para se cobrir, como os edredons.
Os cobertores costumam ficar guardados nos armários e são retirados apenas durante o inverno. Portanto, antes de usar é importante lavar e colocar no sol.  Isto evita os riscos de alergia no bebê e em toda a família.

                                                
O BEBÊ ESTÁ COM FRIO OU COM CALOR?






Os pais podem ficar atentos a algumas questões para saber se o bebê está passando frio ou calor. “Caso a mãe tenha exagerado nas roupas, o pequeno fica inquieto, não relaxa. Além disso, pode suar, especialmente na cabecinha, e a temperatura corporal fica elevada”, conta a pediatra Leda Amar Aquino, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria. 
Este aumento de temperatura é chamado de hipertermia e pode ser diferenciado de uma febre. “Antes de medicar, recomendo tirar algumas peças de roupa da criança, esperar uns minutos e medir novamente a temperatura. Se ela baixar era hipertermia”, orienta Fernandes.
Caso o pequeno esteja com frio irá lhe dar sinais. “Ele chora quando sente este desconforto”, diz Aquino. Coloque a sua mão no tórax do bebê para ver se está com uma boa temperatura. Além disso, as mãos e pés do seu filho podem ficar gelados e mais roxinhos.

                                                      
A PELE DO BEBE E O INVERNO


A pele do bebê requer alguns cuidados especiais no inverno. “Durante o banho, a água quente e os banhos prolongados podem causar o ressecamento da pele”, afirma Helene. Já o creme hidratante pode ser usado apenas após recomendação médica. “Vai depender da pele do pequeno: quando ela é normal não é necessário e não pode ser qualquer creme, é importante utilizar versões infantis”, alerta. Agasalhar demais os filhos também pode causar brotoejas.

                                                            
OUTROS CUIDADOS


Durante o inverno, é comum o pequeno sentir sede. “Isto ocorre devido ao ar seco, então ofereça água mais vezes e, se ele ainda estiver no aleitamento exclusivo, amamente com maior frequência”, diz Nudelman. O clima também pode fazer com que os olhos fiquem irritados e o nariz seco, por isso pode ser necessário pingar um colírio ou utilizar soro no nariz do bebê. Lembre-se de consultar o médico antes de usar qualquer tipo de medicamento.





quinta-feira, 5 de junho de 2014

Festa na escola: o que levar e como fazer

                    Dicas do que providenciar na festa de aniversário do seu filho 






Você está pensando em fazer uma festa na escola do seu filho e não sabe nem por onde começar? Então, dê uma olhadinha nas 8 dicas das mães que participam de nosso grupo no facebook. Elas contam os detalhes e os segredos que fazem a diferença.


AS DICAS

1) FALE COM A PROFESSORA
Converse com a professora para saber quais são as regras da escola e em que momento a comemoração acontecerá. Isso porque alguns alimentos, como bebidas, bolo e docinhos, necessitam de refrigeração. Portanto, é importante verificar se a escola possui estrutura para ajudar nesse quesito.
2) VEJA QUANTOS SÃO OS ALUNOS
Informe-se sobre quantos alunos tem a turma do seu filho e se algum deles é diabético ou alérgico a um tipo de alimento (geralmente, as professoras estão por dentro disso). Em caso positivo, procure saber o que essa criança pode ou não comer. É um gesto de atenção enviar algo similar ao que será servido aos demais alunos. Se isso for inviável, peça que a escola entre em contato com a família do pequeno e avise sobre a festa. Aniversário é para comemorar e não excluir, certo?
3) CONFIRME A DATA
Se a escola do seu filho não determinar uma data específica – muitas marcam na última sexta-feira do mês -, envie o convite aos colegas de sala cerca de 10 dias antes. Ele pode ser personalizado com a foto do seu filho, feito no computador ou comprado em papelarias. Há modelos bonitos e baratos sendo comercializados. Se achar este passo desnecessário ou trabalhoso, peça que a professora avise as outras mães por meio da agenda.
4) PENSE NA DECORAÇÃO
A decoração pode e deve ser simples. Providencie uma toalha de mesa festiva ou um TNT colorido. Festas temáticas são mais custosas, já que os produtos com personagens chegam a valer quase o dobro dos tradicionais. Se ainda assim optar por isso, o mercado oferece painéis com desenhos de vários temas, que podem ser encostados na parede ou colados na lousa. As bexigas, apesar de atraentes, não são práticas para as professoras, muitas vezes responsáveis pela montagem da mesa (fora que alguns pequeninos sentem medo). Copos, pratos e colheres podem ser descartáveis. Para quem não quer gastar com personagens,  há versões coloridas e pra lá de charmosas nos mercados – além de guardanapos e outros pertences comuns a qualquer evento. Ah, os chapéus de festa e as línguas de sogra são divertidos e não fazem barulho.
5) CRIE O CARDÁPIO
As crianças, como bem sabemos, costumam comer pouco. Por isso, as porções são menores que em uma festa comum. Veja algumas sugestões de cardápio.
Bebidas:
  • Água
  • Água de coco
  • Suquinhos
  • Leite fermentado
Salgados
  • Salgadinhos, de preferência os assados
  • Pão de queijo (agora temos a versão integral)
  • Pipoca (eles amam de paixão, mas temos que ficar atentas, porque os menorzinhos costumam engasgar)
  • Sanduichinho com recheios saudáveis
  • Biscoito de polvilho
  • Torta assada
  • Mini cenoura
  • Pepininhos cortados
  • Tomatinhos cereja
  • Muffing salgado
Em tempo: a nossa mulher e mãe Fabi Deziderio contou que manda coxinha para a escola, porque as crianças amam! Mas essa é uma escolha feita de acordo com a filosofia dos pais + escola.
Doces
  • Palitos de frutas
  • Melancia em bolinha
  • Bolo (de acordo com as regras da escola)
  • Docinhos (para as escolas que permitem)
  • Cupcakes (que podem substituir o bolo)
  • Pirulitos e balas são bem-vindos (veja qual é a filosofia da escola)
  • Gelatina
Aqui, uma galeria com algumas possibilidades de alimentos mais saudáveis. Lembrando que é muito importante higienizar tudo adequadamente.
6) PENSE NA POSSIBILIDADE DO KIT FESTA
Algumas escolas substituem a hora do lanche pela hora da comemoração. Então, uma boa solução é montar um kit para cada aluno. Ele costuma ser enviado em saquinhos, lancheirinhas de metal, caixinhas, e pode ser decorado como quiser (dê uma olhadinha na galeria abaixo com algumas ideias fofas). O importante é fazer uma combinação bacana dentro dele. As mães recomendam que cada kit de aniversário contenha o seguinte:
  • Lanche pronto ou um pedaço de torta
  • Bolo ou cupcake embrulhado
  • Docinhos ou frutas
  • Um suquinho ou água de coco
Ah! Lembre-se que na sala, além dos alunos, tem professoras e assistentes.
7) VEJA SE A ESCOLA PERMITE ATIVIDADES
Se o tempo da festa for razoável, distribua giz de cera, lápis de cor e desenhos impressos para as crianças se distraírem. Outras sugestões: colocar músicas para eles dançarem, passar um filme com direito à pipoca ou pedir que levem seus próprios brinquedos naquele dia especial.
8) REGISTRE TUDO!
Mande uma câmera fotográfica para que a professora registre os momentos incríveis do filhote com os coleguinhas. Ah! Lembre de ensinar a professora e a assistente sobre o funcionamento da máquina.
Esperamos que gostem, usem e abusem das dicas!!!!

terça-feira, 3 de junho de 2014

Lei da Palmada é aprovada e proposta vai ao Senado



A Lei da Palmada, que proíbe os pais de aplicaram castigos físicos nos filhos, que estava parada há quase dois anos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, foi aprovada na noite desta terça (21) por unanimidade depois de ter a votação adiadadurante a tarde. A proposta vai se chamar Lei Menino Bernardo, em homenagem a Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, que foi encontrado morto, no Rio Grande do Sul, e cujos principais suspeitos do crime são o pai e a madrasta.
O projeto altera o Estatuto da Criança e do Adolescente para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante. Encaminhado à Câmara pelo Executivo, em 2010, o projeto foi discutido e aprovado por comissão especial criada para analisar o seu mérito, no fim de 2011. Deveria seguir direto para o Senado, mas foram apresentados seis recursos para que ele fosse apreciado pelo plenário da Câmara. Esses recursos foram retirados e a proposta foi encaminhada à CCJ para a votação da redação final, no dia 14 de maio de 2012. Só agora a redação final foi aprovada.

“A proposição materializa, por fim, o crescente compromisso de sociedades contemporâneas que reconhecem que crianças e adolescentes têm direitos frente ao Estado e cabe a ele organizar ações para sua plena realização. A proposição, inegavelmente, aborda a realização de direitos que são inerentes a crianças e adolescentes e indispensáveis a sua dignidade e pleno desenvolvimento”, diz um trecho da justificativa do projeto.

Em outro trecho, o Executivo argumenta que: “consideramos que a proibição, em si, não garantirá mudança das atitudes e práticas, mas a ampla conscientização do direito das crianças à proteção e de leis que reflitam esse direito é necessária. Nesse sentido, é premente estimular que os pais parem de infligir castigos violentos, cruéis ou degradantes, adotando intervenções apoiadoras e educativas, não punitivas”.

A proposta estabelece que pais e responsáveis que maltratarem seus filhos crianças e adolescentes sejam advertidos e participem do Programa de Proteção à Família, que oferece cursos e tratamento psicológico ou psiquiátrico. A vítima do castigo vai receber tratamento especializado.

Nas discussões da matéria na parte da manhã, que contou com a presença da apresentadora Xuxa Meneghel, como uma das defensoras da lei, críticos da proposta alertaram sobre a preservação de direitos individuais e a interferência da lei na educação dos filhos. Enquanto defensores criticaram o apelido dado à lei. "Chamar o projeto de Lei da Palmada é uma maldade. A gente está falando de crianças que são queimadas e espancadas”, disse o relator da matéria na CCJ, deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

As vitaminas fundamentais na gravidez



Manter uma alimentação saudável durante a gestação é fundamental para garantir que o bebê se desenvolva de maneira saudável enquanto ainda está dentro da sua barriga. A formação inicial de sua estrutura física e cerebral fará diferença no seu desenvolvimento a longo prazo.
Pesquisas realizadas por cientistas europeus, em um grande projeto batizado de Nutrimenthe, que estão sendo concluídas este ano, confirmam a importância de certos nutrientes para a saúde da criança. Eles acompanharam centenas de famílias na Europa para observar o desenvolvimento de seus filhos desde antes do nascimento até os 9 anos.

Os estudos concluíram que o ácido fólico (vitamina B9), recomendado pelos obstetras no primeiro trimestre de gravidez, pode reduzir a chance de problemas comportamentais na infância.

Para chegar a esse resultado, os cientistas do Centro Médico Erasmus, em Roterdã, na Holanda, observaram 4 mil crianças de 18 meses. Eles perceberam que aquelas crianças cujas mães não tomaram ácido fólico durante a gestação tiveram mais chances de desenvolver um comportamento retraído, agressivo, depressivo ou ainda ter problemas de atenção.

Outra pesquisa publicada na revista da Associação Médica Americana (JAMA) diz que o consumo diário de ácido fólico pela mulher, antes de engravidar e nas primeiras semanas de gestação, reduz em até 40% o risco de a criança apresentar autismo.
Para a cientista Cristina Campoy, uma das coordenadoras do projeto, “é importante tentar manter uma boa alimentação durante a gravidez e na primeira infância, pois a nutrição adequada pode ter um efeito positivo na performance mental, anos mais tarde”.

É possível garantir a maior parte dos nutrientes por meio de uma alimentação balanceada. Segundo o obstetra Rubens Paulo Gonçalves Filho, do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), o único suplemento vitamínico que o médico seguramente vai receitar para quem acabou de descobrir a gravidez ou está planejando engravidar é justamente o ácido fólico devido a sua importância para a formação neural dos bebês. “Há evidências científicas de que essa vitamina precisa ser reposta, mesmo que a mulher se alimente de maneira adequada. Ela deve ser ingerida preferencialmente três meses antes de engravidar e até a 13ª semana de gestação”, explica o médico.

Rubens afirma que pesquisas recentes reforçaram a importância do consumo do óleo de peixe, rico em ômega 3, para a inteligência da criança e da manutenção de níveis adequados de vitamina D no organismo, o que diminuiria a probabilidade de o bebê nascer com baixo peso. A suplementação desses dois nutrientes, no entanto, não é consenso entre os obstetras. Em alguns casos, as gestantes são orientadas a tomar suplemento de ferro, para evitar anemia no pós-parto.

O mais importante é ter um obstetra de confiança e fazer as consultas de pré-natal. Também é papel do médico orientar a gestante sobre a dieta adequada, identificar possíveis carências nutricionais e eventualmente indicar suplementos ou encaminhá-la para um nutricionista. A grávida não deve tomar suplementos vitamínicos sem o aval do médico. Para saber mais sobre as vitaminas e onde encontrá-las, confira a lista abaixo:
VITAMINA A
Participa do desenvolvimento das células, coração, aparelho circulatório e digestivo do bebê.
Onde encontrar: Óleos de peixe, gema de ovo, frutas vermelhas e amarelas, vegetais amarelos, vermelhos e verde escuros.
COMPLEXO B
Essa família inclui as vitaminas B1, B2, B3, B6, B12 e o ácido fólico. Elas contribuem para a formação de células novas. A vitamina B6 ajuda no desenvolvimento do sistema nervoso do bebê e a B12 é importante para a produção de células vermelhas no sangue.
Onde encontrar: Vegetais, grãos integrais, carne, peixe e leite.
VITAMINA C
Essa vitamina ajuda a produzir tecidos novos, portanto é fundamental para o desenvolvimento do bebê. Além disso, ela ajuda o organismo a absorver o ferro dos alimentos.
Onde encontrar: Frutas cítricas, papaia, vegetais verdes e batatas
VITAMINA D
É fundamental para a absorção do cálcio e para o desenvolvimento dos ossos e dentes do bebê.
Onde encontrar: Peixes de carne gordurosa, como salmão, ovos, margarina e manteiga. Mas lembre-se: tomar banho de sol nos braços e pernas por 15 minutos sem protetor é fundamental para sintetizar essa vitamina.
VITAMINA E
É antioxidante que ajuda a defender as células.
Onde encontrar: Germe de trigo, gema de ovo, sementes, margarinas, nozes e vegetais verdes.

O que é estomatite?

Um monte de aftas doloridas, febre, falta de apetite... Saiba mais sobre essa inflamação bucal que perturba as crianças e tira o sono dos pais




Se amidalite acomete as amídalas e a tendinite, os tendões, a estomatite afeta o estômago, certo? Nada disso. A palavra estômato, que vem do grego, quer dizer boca. Ou seja, trata -se de uma inflamação da cavidade oral, provocada por vírus, e que se caracteriza pelo aparecimento de aftas, acompanhadas de dor, febre e muito desconforto. Não é à toa que as crianças ficam irritadas e com dificuldade de se alimentar. A má notícia é que o problema é bastante comum em idade escolar e, para desespero dos pais, não há muito a fazer, a não ser aliviar o incômodo. Felizmente, após uns 15 dias, as feridas desaparecem sem deixar marcas. A seguir, respondemos todas as suas dúvidas sobre essa virose.
O que provoca a estomatite?
Normalmente, o vírus responsável é o da herpes simples (HSV-1). Em menor incidência, os da família Coxsackie também podem causar estomatites. Ambos se aproveitam de momentos de baixa imunidade, provocados por uma gripe, por exemplo, para entrar em ação.
Quais são os principais sintomas e áreas afetadas?

Primeiro, a gengiva fica avermelhada e surgempequenas erupções arredondadas. No dia seguinte, aparecem bolhas que se rompem, dando origem a pequenas úlceras, semelhantes a aftas redondas e amareladas, que costumam ter até 5 milímetros. Elas se espalham por toda a boca – sobretudo na gengiva, mas também na língua e até no começo da faringe, próximo às amídalas. Os demais sintomas são febre alta e outros decorrentes da dor, como irritabilidade, falta de apetite e dor de cabeça. Em geral, isso dura de dez a 15 dias, mas o período mais crítico é entre o terceiro e o sétimo dia.
Em que períodos a estomatite é mais comum?
No outono e no inverno, os episódios são mais frequentes, por ser uma temporada de gripes e resfriados que torna o sistema imunológico mais vulnerável. Além disso, a circulação em ambientes fechados facilita a transmissão dos vírus, pela saliva contaminada ou contato com as lesões. A doença é mais comum na primeira infância e pode ocorrer a partir dos 6 meses, quando o bebê para de receber anticorpos da mãe pelo leite materno. A maior incidência se concentra entre 2 e 5 anos, período em que as crianças normalmente já vão à escola e vivem em contato próximo com os colegas.
Pode haver complicações?

É possível, mas não comum, ocorrer uma infecção secundária, devido à baixa da imunidade. Nesse caso, o tratamento requer antibióticos. Na maioria das vezes, a complicaçãomais grave é a desidratação, já que as feridas na boca fazem com que a criança tenha dificuldade em comer e beber.
Como proteger meu filho?

Não há providências totalmente eficazes. Lavar as mãos é sempre bom para evitar vários tipos de contaminação. Outra dica é manter os objetos levados à boca sempre higienizados, com sabão ou detergente – e nada de dividir talheres com os amigos. Prefira brinquedos de plástico, mais fáceis de limpar do que os de madeira, deixando-os imersos em uma solução de hipoclorito de sódio (água sanitária, na proporção de uma colher e meia de sobremesa para um litro de água), e enxaguando bem depois.
Que providência tomar se ele ficar doente?
Escola ou creche, nem pensar, pois pode contaminar outras crianças até que as lesões sequem, o que leva cerca de dez dias. O ideal é ficar em repouso, ingerir bastante líquido e alimentos pastosos frios, pouco ácidos e com o mínimo de tempero. Iogurte, sorvete, gelatina e suco de frutas não ácidas, como maçã e mamão, são boas opções.
Como fazer a higiene bucal?

A proliferação das aftas faz as crianças resistirem à escova de dente, que pode machucar. Assim, mau hálito e sangramentos na gengiva não são raros pela falta de escovação. Bochechos com clorexidina 0,12% ajudam a manter a boca limpa. Os pais podem, ainda, usar gazes embebidas em soro fisiológico para limpar os dentes com delicadeza.
Podem ser administrados analgésicos?

Sim, podem ser utilizados para aliviar os sintomas, assim como antitérmicos, se houver febre. O importante é procurar um médico, para que a dose e o tipo de remédio mais indicados sejam prescritos.
Há risco de recorrência?

Sim, pois o vírus continua no corpo, em estado latente, pela vida toda. Se o sistema imunológico ficar enfraquecido, ele pode voltar a se manifestar, só que com sintomas mais brandos. Ainda bem!